GCC1
 

Fotografia - A minha história com ela.

Atualizado: 19 de mar. de 2021

Quando eu comecei a fotografar (ou achava que fotografava bem), eu não gostava de fotografar pessoas, pois é, acredita?! Como boa menina tímida de 17...18 anos e de certa forma minimalista, ficava muito mais confortável na presença de flores, folhas, objetos e claro animais companheirinhos de vida... S2


Ah! Salvo alguns momentos super raros, ainda anos antes (eu devia ter uns 10 ou 11 anos) em que minha mãe permitia usar a câmera comprada com muito esforço, de filme e com flash removível, a mais simples e antiga que você pode imaginar, e que uma criança não devia encostar pra não quebrar rs, nesses momentos sim, fotografava pessoas literalmente sem pé ou cabeça 😂


Muito bem, a esta altura (17...18 anos), eu apenas utilizava a câmera do celular, e fui aprendendo sozinha sobre o meu olhar, de forma natural na verdade, porém em algum momento chega a vontade de entender melhor sobre o assunto, o descobrir que a fotografia tem muito mais densidade e vertentes do que apenas apontar e atirar, mesmo que eu já estivesse descobrindo sobre a particularidade do olhar, ainda havia mais, e pensava como eu podia fazer fotos como as que via na TV, nos livros e como um dia eu viajaria o mundo fotografando paisagens com meu celular tijolinho kkk? Pois é, eu sabia que não dava! (Ainda espero pela viajem ao mundo :/ )

Então, finalmente comprei minha primeira câmera usada com ajuda do meu namorado salvador da minha pátria e entrei em meu primeiro curso básico de fotografia que foi maravilhoso por sinal, mas para você não cansar de ler, eu vou pular as partes aqui rsrs, e cortamos para o trabalho de conclusão de curso, adivinha sobre o que? ... PESSOAS! Nãaaooo, DEUS, eu fotografava garrafas de cerveja e folhas tãaao bem, porqueeeee pessoass? ... Assim pensei...


Mal sabia eu, que logo o primeiro ensaio saiu liiindo, e eu simplesmente encontrei um novo mundo, infelizmente não posso postá-lo, mas acredite, eu amei e amei o resultado para uma iniciante!

A partir daí, eu não parei, de alguma forma casei a natureza observadora que a timidez me proporcionou, e já não tão tímida assim, fiz fotos de familiares e amigos, modelos e clientes e fui ao longo dos anos aprendendo a ler as pessoas, a procurar transformar as fotografias em sentimentos além de memórias, e hoje o meu objetivo é transformar um pouquinho que seja da sua vida através da experiência de um ensaio.


Em um outro post posso falar mais sobre como acredito na transformação que a fotografia pode causar. Curte essa publicação para eu saber que você quer mais conteúdos 😊


Abaixo vou deixar algumas fotografias e entre elas talvez algumas que você não sabia que eu faço (por diversão apenas rs), espero que goste e até o próximo post.


Foto Gabriela Barreto

Foto Gabriela Barreto

Foto Gabriela Barreto

Foto Gabriela Barreto

Foto Gabriela Barreto

Posts recentes

Ver tudo

Uma fotógrafa incrível, que eu tenho orgulho de casar muitos dos meus pensamentos é a Gracie Hagen, ela é uma autodidata, vive em Chicago e prefere clientes particulares porque acha que o retrato come

Gabi_edited_edited.jpg

Gabi

Fotógrafa

Fundadora da Gabi Cravo e Canela

Marketeira de Formação

Quase Engenheira

Sonhadora e inquieta